terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Adeus 2016..

Hoje o texto é uma despedida, sim, uma despedida de um ano muito confuso, de muitas emoções boas e ruins, sentimentos negativos e positivos.

Adeus 2016, nunca mais o verei, já não estou mais aí pra você..

Que louco você foi hein? Me virou do avesso e me deixou assim. Tirou os meus pés do chão, fez meu coração parar em alguns momentos e acelerar em outros..

O que foi você?
Um ano triste? Um ano feliz? Sinceramente, eu não sei dizer.

Só o que sei, é que eu não estou mais em você, nunca mais precisarei pensar em você como o ano que nunca acaba, ou o ano em que quase perdi meu pai.. quase não consegui um emprego.. quase fiquei em São Paulo.. quase perdi a oportunidade de terminar minha faculdade.. quase mudei de país!

Ufa.. tantos “quase” marcados por grandiosos “se”..

Se eu estivesse em São Paulo? Se eu terminasse a faculdade? Se eu mudasse de país? E o pior de todos os “SE” e se eu perdesse meu pai?

Por esses “quases” e “ses”, que eu agradeço a Deus por ter estado ao meu lado em quanto os seus 12 meses passavam. Cada mês que passou, eu superei mais um dia de tristeza que o finzinho do seu vizinho (2015) me deixou..

Observei que precisava dar mais atenção a minha família, que preciso ainda dar mais atenção as minhas finanças e o mais importante a colocar Deus acima de todas as coisas. Ele nunca me abandonou, e tenho certeza que nunca irá.

Engraçado, você me ensinou muitas coisas, e olha que eu te chamava de 2015part2 HAHAHA

Você foi um ano a parte, um ano que nunca vou esquecer, mas que no momento eu quero muito apagar da memória todos os dias de dor e tristeza, todos os dias que eu pensei que fosse cair, fracassar, me desesperar. 
Quero guardar de você, todos os dias bons, as coisas boas que você me trouxe, os dias que eu consegui dizer EU TE AMO, pra quem merecia, o dia em que eu consegui abraçar meu pai depois da cirurgia, os cafés que tomei na casa dos meus avós, o dia em que eu passei na UERJ, o primeiro dia que dormi na minha casa (SOZINHA), o primeiro ano de vida do meu sobrinho, os cultos e as palavras que ouvi na igreja, os sonhos que eu tive e que se tornaram metas para este ano.

Adeus 2016, você foi o ano mais surpreendente em que vivi. Não tenho saudades de ti.
Me desculpe, sem falsas modéstias, me deu uma alegria imensa às 23:59 do dia 31-12-2016.


Ps.: Você não foi tão ruim assim, 2017 me fez trabalhar no primeiro dia do ano dele, isso você não fez HAHA.